cão-guia, Nosso cotidiano

Como conseguir um Cão-Guia

Muita gente me pergunta como conseguir um cão-guia e resolvi escrever esse artigo para contar como eu fiz.Já escrevi sobre o processo da Hilary, vocês podem ler em “Sobre Hilary” e em Há 3 anos você chegou em minha vida conto sobre a transformação da chegada dela em minha vida.

Infelizmente a quantidade de deficientes visuais cadastrados é bem maior do que a quantidade de cães doados no Brasil. Estima-se que existam somente 150 cães-guia em todo o país. Aproveito para dizer que os cães-guia são DOADOS, você não deve pagar para adquiri-los.

Antes de se aplicar para receber um cão-guia alguns pontos devem ser analisados. Eles são uma vida e você precisa ter absoluta certeza de que realmente quer ter um.

Se faça essas perguntas antes de fazer os cadastros nas instituições:

  1. Você quer um cão-guia para realizar suas rotinas práticas ou para a realização de um sonho?
  2. Você gosta de cachorro?
  3. A presença dele 24hs por dia irá te incomodar?
  4. Você está disposto a dividir a sua renda com gastos fundamentais para o cão? (Ração de qualidade, banho, vacinas, veterinário, brinquedinhos, medicação…)
  5. Lembre-se que ele estará presente em todos os lugares que você frequentar e a higiene dele é muito importante para que ele não fique com cheiro desagradável.

A nossa rotina muda quando pegamos um cão-guia, é uma vida, então precisamos nos preocupar com o bem-estar e necessidades deles. Tem horários certo para alimentação, horários para as necessidades fisiológicas (sim, xixi e coco, e esse é você quem irá recolher), além dos cuidados com a higiene (banho, escovar os dentes, pelos, limpar o ouvido…).

Tudo isso precisa ser levado em consideração, é muito fácil pensar em querer ter um cão-guia, porque são bonitos, companheiros e etc, mas precisamos lembrar sempre de que são uma vida e requerem cuidados. Eu considero como se fosse ter um filho, nossa vida realmente muda após a chegada deles. O que para mim, esses cuidados que preciso ter com a Hilary são o mínimo pelo que ela faz por mim. Ela me deu mais independência, está sempre do meu lado, me dá carinho, me irrita as vezes (quando me acorda de madrugada para comer… rs), mas eu AMO a minha pretinha! <3

Agora vamos lá, avaliou todos esses pontos? Você tem realmente CERTEZA de que quer um cão-guia? Sim?

Então vamos aos passos que precisam ser tomados antes de uma “Hilary” chegar em sua vida!

O primeiro passo é você ter um bom relacionamento com a deficiência visual, digo isso porque sabemos que a etapa de aceitação é complicada, principalmente para quem perdeu a visão depois de já ter enxergado (experiência própria), seja na infância, adolescência ou fase adulta. Quando a Instituição tem o cão pronto para ser entregue, eles começam a procurar os candidatos, fazem todo um processo de entrevistas, tipo como se fosse uma entrevista de emprego mesmo…rs…e o primeiro “processo seletivo” que fui chamada foi em 2012, nessa época ainda não lidava bem com minha deficiência visual, estava em processo de aceitação, ainda tinha vergonha de usar a bengala e mostrar para as pessoas que eu não enxergava. Por causa disso não “passei” para a próxima etapa.

Vamos parar para pensar: a bengala podemos guardar na bolsa quando estamos com alguém que enxerga, dessa forma as pessoas nem perceberão que somos deficientes visuais, certo? Agora com o cão-guia, o tempo todo estaremos mostrando que somos deficientes visuais, não tem como guarda-los na bolsa, por isso essa questão precisa estar bem resolvida na nossa cabeça.

Segundo passo, ter mobilidade. Precisamos saber usar a bengala e principalmente ter Orientação e Mobilidade, pois somos nós que damos os comandos para onde o cão deve ir, eles não são um GPS. Depois de terem aprendido os lugares da sua rotina fica mais fácil, é só dizer “trabalho”, “casa”, que eles já conhecem o caminho, mas você precisa estar sempre atento pois pode acontecer algo no meio do caminho que os distraiam e acabem desviando o trajeto.

Assunto deficiência visual resolvido, já tenho mobilidade, e agora? Que passo devo tomar?

Existem instituições no Brasil que fazem a doação dos cães-guia e devemos fazer o cadastro em todas para aumentar as nossas chances. São elas:

→ Instituto IRIS (São Paulo)

→ Instituto Magnus (Sorocaba)

O site está em construção, ao contactá-los foi informado que até o final de fevereiro devem normalizar o site e será aberta as inscrições para os futuros usuários de cão-guia.

→ Helen Keller (Balneário Camboriú)

→ Projeto Cão-Guia DF (Brasília)

O site está sendo reformulado. O cadastro deve ser feito através do e-mail caoguiadf@gmail.com

→ Viver sem limites – é um projeto do governo, os cães são entregues pelos Instituto Federais (locais onde já entregam cães: Balneário Camboriú, Alegre/ES e Goiás). Para adquirir um animal treinado pelos Institutos Federais é necessário estar inscrito no Cadastro Nacional de Candidatos à Utilização de Cães-Guia da SDH. A inscrição compõe uma lista de candidatos elegíveis para aquisição nos processos de seleção realizados pelos Centros, por meio de edital.

→ MO4P (São Paulo)

*Clique em cima do nome de cada instituição para saber mais.

Não significa que você fazendo o cadastro nessas instituições já conseguirá seu cão-guia, pode ser que você tenha sorte e logo tenha um retorno, mas pode acontecer de você esperar um tempo maior, eu esperei por 4 anos. Um dos critérios para a escolha dos usuários é o perfil dos cães que já estão treinados, é como um casamento, a dupla precisa ter sintonia. Um exemplo, o cão é agitado, anda rápido, não adianta escolher um usuário que anda devagar, tem uma rotina mais pacata, a dupla não dará certo, não será bom nem para o usuário e nem para o cão. Por causa disso a fila não tem ordem, não quer dizer que você foi o primeiro a se cadastrar que será o primeiro a receber, tudo dependerá do perfil do cão.

Após feito os cadastros é só aguardar, como disse acima, não tem como saber quanto tempo irá levar para entrarem em contato, o negócio é ficar torcendo para que seja logo!

Se você não possui deficiência visual te convido a conhecer mais as instituições e ajudar sendo uma família socializadora ou ajudando com doações, lembrando que as instituições não cobram para doar os cães e dependem de doações, patrocínios para poderem treinar os cães. No vídeo abaixo conto mais sobre Família Socializadora, uma etapa muito importante no treinamento do cão-guia.

Ficou com mais dúvidas sobre o assunto? Deixe nos comentários que adorarei responde-las!

Leia também:

Cães de Assistência e Cães de Intervenção Assistida com Animais

A importância de uma boa alimentação para os cães

A Hora do Banho

“Eu viajo… Você embarca… Juntos outra vez em mais um aprendizado!”

Reserve seu Hotel com a nossa parceira Booking.com!



Artigo anterior Próximo artigo

Veja também:

Deixe uma resposta

Comentários